top of page

O processo criativo e seus segredos para criar conteúdos infalíveis

Um bom processo criativo é a chave para uma criação de conteúdo eficiente. Conheça as etapas desse processo e ferramentas para otimizá-lo!

Boas ideias não nascem do nada, elas sempre são fruto de um processo criativo, inclusive no ramo do marketing digital.

Seja na hora de estruturar uma estratégia inventiva e eficaz ou no momento de produzir um conteúdo impactante, esse é o processo por trás da coisa toda.

Afinal, ser criativo é uma característica que pode aparecer em muitas outras ocasiões, desde a procura por um bom título para um texto até a busca por soluções para um problema complexo.

No caso da produção de conteúdo, especificamente, essa capacidade ganha um papel central, já que estamos falando de uma atividade que depende diretamente da capacidade de criar

E, diferentemente do que muita gente acha, isso não é um dom inato, que só aparece entre algumas poucas pessoas premiadas com esse traço. Como acontece com qualquer outra habilidade, esse aspecto pode (e deve) ser desenvolvido a partir de métodos eficazes.

Por isso, esse conteúdo tem todas as informações de que você precisa para entender o que é o processo criativo, quais são suas etapas e como ele impacta a produção de conteúdo. Confira!

Por que é importante entender o processo criativo?

Em uma atividade como a produção de conteúdo, não dá pra negar que a criatividade tem um papel central.

Seja na hora de encontrar um bom tema, chegar a um título marcante, trazer exemplos que façam sentido para o leitor ou simplesmente estruturar o seu conteúdo, entre tantas outras etapas que compõem esse processo, é preciso saber criar.

E essa é uma missão que pode assustar muita gente. Afinal, quem nunca foi assombrado pelo tal do bloqueio criativo ou por uma súbita falta de inspiração? 

Por outro lado, um dos motivos pelos quais esse problema costuma acontecer é que muitas pessoas não sabem exatamente como colocar essa habilidade em prática, o que faz com que fiquem esperando por algum tipo de inspiração, sem agir ativamente para ativar o seu potencial de criação.

É justamente aí que entra o processo criativo: um conjunto de etapas ou técnicas que é capaz de colocar a capacidade criativa em prática.

A ideia por trás desse conceito é, basicamente, que por mais que a habilidade de criar exija certa liberdade para buscar inspiração e pensar fora da caixa, isso não significa que ela não aconteça de forma estruturada.

Na verdade, o que muitos estudos e a própria prática mostram é que o ato de ser criativo consiste em um processo estruturado em etapas.

E não dá pra dominar um processo se você não entende como ele funciona, certo?

Em uma agência, por exemplo, compreender os diferentes aspectos que fazem parte desse percurso faz com que os profissionais saibam por onde começar e quais passos seguir na hora de produzir um conteúdo ou até mesmo encontrar soluções inovadoras para desenvolver estratégias mais eficientes.

Assim, entender o que é um processo criativo e como ele se estrutura significa saber como colocá-lo em prática e ativar todo o seu potencial de criação.

Compreendendo as etapas do processo criativo

Já faz tempo que a criatividade é tema de muitos estudos e um deles está presente no livro “Arte do Pensamento”, do autor Graham Wallas, psicólogo da London School of Economics.

Nessa obra, que foi publicada pela primeira vez em 1926, o estudioso identificou as quatro etapas que fazem parte do processo criativo, baseado em entrevistas com inventores famosos dessa época.

Vem conhecer esses quatro estágios e entender a importância deles para a sua criação de conteúdo:

Preparação

Tudo começa com a fase de preparação que, como o nome indica, consiste nesse momento dedicado a preparar o terreno antes de iniciar um projeto.

Isso significa que, nesse estágio, o objetivo é reunir informações e entender onde você precisa chegar, para que você saiba onde está pisando e com quais elementos estará lidando ao longo desse processo.

No caso da criação de conteúdo, isso pode ser associado a tarefas como:

  • reunir informações sobre o cliente,

  • definir o público-alvo,

  • elencar os objetivos do conteúdo,

  • entender como é o posicionamento da marca,

  • conhecer melhor o segmento.

Todos esses pontos são cruciais para dar início ao processo criativo, pois eles são o ponto de partida para a sua produção.

Incubação

Já se foi o tempo em que o ócio era considerado algo inerentemente negativo. Quanto mais falamos sobre criatividade, mais clara fica a relevância dele para desenvolver essa capacidade.

Esse é um dos elementos principais na segunda etapa do processo criativo: a incubação.

Ao chegar aqui, você já terá coletado as informações de que precisa para que o seu cérebro comece a fazer associações entre elas, mesmo que isso nem sempre aconteça de forma consciente.

Tirar a cabeça do assunto, seja para relaxar ou para ficar em algum outro projeto, é um jeito de deixar que as ideias se formem no tempo delas, sem apressar o processo e acabar chegando a uma solução pouco satisfatória.

Afinal, a pressão pode atrapalhar esse percurso e deixar tudo mais difícil, o que significa que deixar a mente trabalhar livremente é o melhor caminho para deixar que as boas ideias surjam com tranquilidade.

Iluminação

Eureka! O terceiro estágio é marcado pelo surgimento das primeiras ideias, que podem chegar todas de uma vez ou aos poucos.

Tendo reunido as informações necessárias para estruturar o conteúdo e tendo deixado a mente trabalhar sem pressão, é natural que comecem a surgir as primeiras associações, alguns caminhos mais inovadores e soluções interessantes para chegar a um bom resultado.

Vale reforçar que isso dificilmente acontece de forma forçada. Afinal, pensar demais e com muita insistência sobre o assunto pode até mesmo ter o efeito contrário, deixando sua mente cansada e muito mais limitada.

Da mesma forma, não basta sentar e encarar a parede até receber algum tipo de iluminação do além: tanto a etapa de preparação quanto a de incubação são fundamentais para chegar aqui.

Verificação

Bom, agora você já chegou à sua grande ideia, mas o processo criativo não se encerra aqui. A última etapa desse percurso é aquela em que chega a hora de colocar a criatividade em prática.

Portanto, o último passo desse processo consiste em fazer acontecer

E, para isso, é preciso verificar se aquilo que você imaginou na sua etapa de iluminação realmente pode ser aplicado, se existem obstáculos a serem contornados e se a estratégia adotada está realmente no caminho certo

Obstáculos comuns no processo de criação

Agora você já sabe como o processo criativo se estrutura, mas é claro que ainda podem surgir desafios nesse percurso. Afinal, a criatividade é uma habilidade que precisa ser constantemente desenvolvida e isso nem sempre é fácil.

Quem já viveu algum tipo de bloqueio, por exemplo, sabe bem que existem momentos nos quais é difícil colocar qualquer ação em prática.

Por isso, também é importante entender de onde vêm esses empecilhos e o que pode estar prejudicando o seu potencial criativo

Desse jeito, fica bem mais fácil enfrentar essas dificuldades e aproveitar as vantagens de um processo de criação bem estruturado.

Se você já teve dificuldades na hora de colocar a criatividade para funcionar, confira alguns possíveis motivos para esse tipo de problema:

Falta de direcionamento

Agora há pouco, falamos sobre a importância da preparação para todo o processo criativo, já que é ali que tudo começa.

Quando essa base não existe, fica difícil ter um bom direcionamento e compreender para onde esse percurso de criação deve levar, que tipo de conteúdo precisa ser produzido, quais são os objetivos que ele deve cumprir e a quem se dirige.

Por isso, para quem está à frente de uma agência, é preciso ter isso em mente e fornecer um direcionamento consistente para a equipe criativa, garantindo que todos saibam onde estão pisando.

Da mesma forma, os profissionais também precisam reunir as informações necessárias para iniciar esse processo com qualidade. 

Medo de críticas

Há quem goste do título de “perfeccionista”, mas nem sempre essa característica é uma qualidade.

É claro que prestar atenção aos detalhes, praticar a autocrítica e buscar um bom resultado são traços fundamentais de um profissional comprometido e competente, mas um perfeccionismo exagerado pode trazer prejuízos.

Em muitos momentos, o medo das críticas e a vontade de atingir a perfeição acabam resultando em um bloqueio criativo, que faz com que o profissional sequer consiga começar o processo de criação.

Por isso, vale a pena avaliar esse aspecto e procurar desenvolver uma atitude menos rigorosa, mais aberta à possibilidade de aprender ao longo do caminho e fazer ajustes quando necessário.

Falta de organização 

Lembra de quando falamos da etapa de incubação? Quando não existe uma boa organização dos processos da agência, a tendência é que ela seja apagada do mapa.

É claro que esse período não pode ser muito longo, já que sempre existem prazos a serem cumpridos e entregas a serem feitas, mas quanto mais corrido for o processo de criação, mais difícil será deixar a mente livre para pensar de forma criativa.

A pressão de terminar logo um conteúdo pode acabar prejudicando todo o processo criativo, seja no caso de prazos muito apertados ou não especificados.

Por isso, é essencial que a agência tenha uma boa organização das entregas a serem feitas, com prazos realistas e bem definidos.

Justificativas exageradas

Um bom planejamento estratégico sempre precisa estar presente na atuação de uma agência e isso também se aplica aos processos que envolvem a criatividade.

É justamente para isso que partimos de uma etapa de preparação, reunindo informações importantes, para depois começar a fazer associações que ajudem a criar um bom produto final.

Por outro lado, quando a ideia finalmente chega, é preciso evitar o impulso de justificar cada mínimo ponto levantado. 

Essa tentativa de encontrar a melhor justificativa para cada micro ação do processo criativo também pode acabar trazendo prejuízos, já que a tendência é o surgimento de certa pressão sobre essa tarefa.

Ferramentas poderosas para enriquecer o processo criativo 

Felizmente, todos esses obstáculos podem ser enfrentados, desde que você tenha as ferramentas certas em mãos.

Por isso, fizemos uma seleção dos melhores instrumentos para facilitar e otimizar o processo criativo na sua agência. Vem ver quais são:

Mapas mentais

Uma das formas de otimizar esse processo é tornar as informações mais concretas e palpáveis.

Os mapas mentais ajudam nessa tarefa, porque se organizam a partir de um esquema de fluxograma, em que você pode anotar pontos-chave para ligá-los a certas informações ou às ideias propriamente ditas.

Esse é um jeito de organizar o pensamento e entender melhor aquilo que começa a surgir na etapa de iluminação, que mencionamos mais acima.

Além disso, um mapa mental separado também pode ajudar no estágio final, de verificação das ideias que você teve.

Brainstorming

Ah, o famoso brainstorming! Você pode saber mais sobre esse assunto no nosso conteúdo com as melhores técnicas de brainstorming para agências, mas o princípio dessa prática é bem simples: criar uma tempestade de ideias.

No método mais tradicional, são reunidos vários profissionais para que as ideias sejam criadas de forma conjunta.

Assim, basta fazer sugestões espontâneas, sem pensar muito sobre elas, e anotá-las. Depois, todos se juntam para selecionar aquelas que se destacaram.

Esse pode ser um ótimo caminho para quem está precisando perder o medo das críticas, já que o princípio dessa técnica é justamente que todos falem o que vier à mente, sem medo de julgamentos. 

PNI

Nos casos em que a dificuldade é filtrar as ideias e identificar quais delas podem trazer melhores resultados, o PNI pode ser uma boa solução.

A sigla é formada a partir das palavras “positivo”, “negativo” e “interessante”. Ou seja, a técnica consiste em avaliar as ideias a partir de três elementos: seus aspectos positivos, os pontos negativos e o que elas trazem de interessante.

Para isso, é importante sempre ter no horizonte os objetivos do processo criativo e aonde se deseja chegar com ele, já que os aspectos mais interessantes de uma ideia podem variar de acordo com a finalidade do conteúdo, o perfil do cliente, entre outros fatores.

MIOLO

Como você viu, o processo criativo é um percurso desafiador, no qual podemos até encontrar alguns obstáculos, mas que pode ser facilitado a partir das ferramentas certas.

Desenvolver a criatividade e fazer com que essa capacidade entre na rotina é uma tarefa que demanda preparação, bons instrumentos e muita prática.

Por isso, a Agência de Bolso criou o Curso de Métodos de Ideação Originais, Lúdicos e Ousados. Para os íntimos, esse é o Curso MIOLO!

Todo o percurso de aprendizagem foi modelado com técnicas de didática, pensando na melhor maneira de descomplicar cada conceito apresentado, sem ficar só na teoria. O foco aqui é aprender, mas tirar o conhecimento do papel e torná-lo realidade.

Para isso, você tem acesso a aulas rápidas e cativantes, materiais exclusivos de altíssima qualidade e à presença de convidados especiais que são especialistas quando o assunto é criatividade.

Conheça o Curso MIOLO e confira tudo que ele tem a oferecer ao processo criativo da sua agência!


263 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page